29 de abr de 2011

Ereção e Disfunção Erétil - O que é ?


FISIOLOGIA DA EREÇÃO 


Há três câmaras separadas no pênis normal: duas câmaras eréteis interconectadas, chamadas corpo cavernoso, que ocupam o volume do pênis, e a uretra, um tubo que pode conduzir tanto a urina como o sêmen. As câmaras eréteis ficam anexadas ao osso púbico e se estendem da parte abdominal para a porção visível do pênis. Essa âncora  ajuda a manter o pênis rígido quando as câmaras ficam cheias de sangue. Cada câmara erétil é formada por um tecido parecido com uma esponja que se enche de sangue durante a fase de excitamento. O sangue fica preso no pênis, aumentando e endurecendo-o para a penetração.
A ereção pode se iniciar por:
Estímulo psicológico (imaginação de situação erótica)
Estímulo físico (toque da genitália masculina de maneira sensual)
O sistema nervoso atua no cérebro com pensamentos eróticos, enquanto outro centro, na coluna vertebral reage ao toque. Ambos atuam em conjunto para produzir a ereção como um auto reflexo que é auxiliado pelo hormônio masculino, a testosterona.

Dessa pequena descrição da fisiologia da ereção, pode-se ver que qualquer problema que afete o cérebro, a espinha, as terminações nervosas do pênis, as artérias penianas, os corpos esponjosos, as veias do pênis ou a produção da testosterona podem atrapalhar uma ereção normal.
    • CAUSAS DA DISFUNÇÃO ERÉTIL E DA DIFICULDADE EM ATINGIR / MANTER A EREÇÃO 
A Disfunção Erétil pode ter sua origem em causas psicológicas, físicas ou mistas.
Causas psicológicas:
• Ansiedade
• Depressão
• Fadiga
• Culpa
• Stress
• Problemas maritais
• Problemas financeiros
• Ansiedade por desempenho
• Excessivo uso de álcool
• Conflitos de identidade sexual, preferência e orientação sexual.

Quando isso ocorre, muitas vezes, a simples solução do problema que está preocupando o homem permite que o seu desempenho sexual volte a ser normal. Caso isto não ocorra, pode ser necessário procurar ajuda junto a um psicólogo. Quando se trata de um problema físico, entretanto, é necessário e indispensável o auxílio de um médico.
Causas físicas: Podem ser de origem arterial (diminuição do aporte sangüíneo aos corpos cavernosos), neurogênicas (algum problema que afete a medula ou a inervação periférica do pênis) ou mesmo efeito colateral de medicamentos que podem promover além de disfunções eréteis, distúrbios da libido ou disfunções ejaculatórias como são apresentadas no item Distúrbios da Ereção.
  • Álcool - Em pequenas doses pode servir de estimulante do desejo sexual mas, em alta quantidade começa a apresentar efeitos danosos à ereção pois os músculos entram em processo interno de relaxamento.
  • Fumo – O tabagismo é fator de risco para desenvolvimento de arteriosclerose nas artérias pudentas e penianas comuns em pacientes jovens com DE (Rosen net al 1991) As artérias (vasos) que irrigam o pênis são de seis a oito vezes mais finas que as artérias coronárias, e, se o cigarro ou qualquer outro tipo de fumo "entope" as coronárias, o que dizer de uma artéria de seis a oito vezes mais fina? O fumo acelera danos arteriais devido à aceleração da arteriosclerose direta na íntima pela diminuição dos níveis do colesterol HDL (Fried et al 1986), além de provocar uma vasconstrição sobre as artérias.
  • Colesterol - O aumento de colesterol, decorrente de altas doses de gordura na alimentação também causa a obstrução da circulação do pênis levando à impotência.
  • Efeito colateral de Cirurgias e Traumas - A cirurgia de próstata pode ter como conseqüência o problema da Impotência Sexual. Não ocorre em todos os casos de cirurgia, mas em grande parte deles. O que se faz é tratar do problema de Impotência usando um dos inúmeros recursos hoje disponíveis, estando inclusive alguns apresentados neste site. Não há, portanto o que se temer.
  • Drogas - As drogas, tais como Maconha, Crack, Cocaína, etc., acarretam de forma sensível a parte sexual do indivíduo. Há uma enorme redução da parte circulatória da região peniana, levando o indivíduo a ter problemas sérios de ereção.
  • Impotência como efeito colateral de medicamentos para Pressão, Depressão, Diuréticos etc. - Grande parte dos medicamentos utilizados nestes tratamentos pode acarretar problemas de ereção. Uma vez que os medicamentos não podem ser suspensos, há necessidade de se tratar os efeitos colaterais dos mesmos. Isso felizmente é tranqüilo devido à grande evolução dos tratamentos para Impotência. Também drogas para problemas cardiovasculares, Parkinson, psicotrópicos, anfetaminas e alguns hormônios podem causar esse efeito colateral
(*) Nunca mude sua medicação ou dosagem sem antes consultar seu médico.
  • Efeito da idade – Estatisticamente, o número de homens que experimentam a Disfunção Erétil aumenta de acordo com a idade.  A idade em si não causa a disfunção, mas é fato que, homens mais velhos têm mais probabilidade de ter doenças ou ter sofrido tratamentos (ex: cirurgia de próstata) que podem causar a disfunção.
  • Impotência Resultante de Traumas - Um trauma em qualquer porção da região pélvica ou da coluna pode resultar em impotência, pois, no diafragma urogenital encontramos diversos nervos frágeis e artérias que suprem o pênis.
  • Um trauma direto no pênis pode resultar em uma fratura ou ruptura dos compartimentos eréteis. Com esse trauma, o paciente pode vir a sentir dor e inchaço no pênis, sendo às vezes inviável a atividade sexual, tornando-se necessária uma correção cirúrgica.
    Traumas na coluna também podem causar impotência, pois, caso haja ferimentos na medula espinhal pode haver perda do centro nervoso que controla as ereções.Uma medula espinhal danificada muda dramaticamente o tipo de vida do paciente.Ficar confinado a uma cadeira de rodas restringe o vigor da pessoa e de sua vida ativa. Se as relações sexuais puderem continuar, o bem-estar emocional do paciente e de sua parceira pode ser mantido.
    Se houver perda de habilidade em conseguir a ereção, pode-se utilizar pequenas doses de remédios injetáveis no pênis, ou implante de prótese.
    Hoje em dia é muito freqüente termos pacientes com queixa de trauma direto na coluna ou mesmo ferimentos por projéteis de arma de fogo. O tratamento para esses pacientes necessitará de exames específicos para estudarmos a circulação e a inervação do pênis, bem como o grau de sensibilidade peniana.
    Cirurgia e trauma no cérebro, medula espinhal e região pélvica, estão associados com o aumento do risco de distúrbios de ereção.
    Podemos citar
    • Traumatismos crânio-encefálico
    • Cirurgias no cérebro
    • Laminectomia lombar
    • Lesão medular
    • Linfadenectomia retroperitoneal sem preservação de nervos
    • Aneurismectomia da aorta abdominal
    • Cirurgias radicais para câncer do intestino e geniturinárias
    O índice de violência atual, com inúmero disparo de balas perdidas tem, sem dúvida alguma, contribuído para o aumento do número de pacientes com algumas das lesões anteriormente descritas.
  • Problemas Hormonais – Algumas doenças, como problemas nos rins ou no fígado podem causar uma alteração hormonal, o qual controla as ereções. Baixos índices de testosterona também podem ser um fator agravante.
  • Priapismo – Priapismo é uma ereção que dura mais tempo que o normal e é causada por outras razões que não seja desejo sexual. Priapismo envolve o corpo cavernoso e é resultado ou de uma entrada anormal de fluxo no pênis ou no caso mais comum diminuição ou perda de saída desse fluxo. Se uma ereção dura mais que quatro horas, há o risco de comprometimento do tecido, o que pode resultar em Disfunção Sexual. Tanto uso inadequado de medicamentos (aplicações intracavernosas, anti-hipertensivos, drogas tipo cocaína) como patologias que levam a alterações hematológicas como anemia falciforme ou leucemia podem levar à ocorrência do Priapismo. HÁ A NECESSIDADE URGENTE DE SE PROCURAR UM SERVIÇO DE EMERGÊNCIA PARA SEREM UTILIZADAS CONDUTAS A FIM DE SE INTERROMPER A EREÇÃO.
    • Problemas neurológicos – Lesões na coluna, defeitos congênitos tais como medula espinal bífida, tumores ou aumento da pressão no crânio e doenças musculares tais como esclerose múltipla podem levar à Disfunção Erétil.
    • Obesidade - A obesidade pode ser um fator de risco de disfunção sexual em ambos os sexos e existe forte associação entre obesidade e disfunção erétil e esse risco aumenta conforme aumenta o IMC (índice de massa corpórea).  A prevalência de obesidade ou sobrepeso nas pessoas que procuram tratamento de DE pode chegar a 79%.  Também observa-se que de um modo geral a obesidade traz repercussões psicológicas de auto-estima e depressão, que podem ser devido à avaliação global da auto-imagem e, mais especificamente, dos genitais, como no caso do tamanho do pênis no chamado "pênis oculto" ou "pênis embutido".
    • COMO CONTRIBUIR PARA UMA VIDA SAUDÁVEL 
    • Evitar o fumo e o excesso de álcool • Controle alimentar, evitando gorduras e colesterol na dieta • Exercício físico regular evitando-se o sedentarismo • Combater a obesidade • Controle rigoroso de diabetes • Observar a possibilidade de a disfunção ser efeito colateral de algum medicamento que o paciente tenha que tomar, e se for, verificar com seu médico se há a possibilidade de substituir esse medicamento por outro sem tal efeito • Combate à depressão

    CAUSAS IMPORTANTES

      DIABETES E A DISFUNÇÃO ERÉTIL
    O Diabetes é uma das condições crônicas que mais freqüentemente causa a disfunção erétil (Akerman et al 1993, Shiavi et al 1993, Close e Ryder 1995, Bancroft e Gutierrez 1996, Dunsmuir e Holmes 1996, Hakim e Goldstein 1996, Klein et al 1996)..  Estudos nos EUA mostram que 30 milhões de homens podem ter algum tipo de problema de ereção. Quando se estudam esses homens, observa-se que os mesmos podem ter também problemas vasculares, diabetes ou depressão o que mostra um complicado interrelacionamento entre estas patologias. O diabetes é uma doença que provoca um processo inflamatório nas artérias e arteríolas do corpo e que tem que ser controlada pelo paciente. É freqüente termos pacientes diabéticos com problemas de circulação, não só no pênis como em outras artérias de maior porte de membros inferiores, rins, etc. As artérias do pênis por serem minúsculas, geralmente são as mais acometidas.
    A etiologia da DE na população diabética é multifatorial e acaba por envolver problemas endócrinos, cardiovasculares, urológicos e até psiquiátricos.  Estima-se que 35 a 75 % dos homens com diabetes possam ter disfunção se comparado com outros grupos de estudo. Homens com diabetes desenvolvem o problema de 5 a 10 anos antes. O desenvolvimento desse problema com o passar dos anos no grupo de diabéticos também se dá de forma mais progressiva.  Estudiosos como Feldman et al avaliam que o risco da disfunção erétil é de três vezes maior nos diabéticos que nos não diabéticos.  O efeito prejudicial do diabetes mellitus na função erétil é demonstrado por estudos de tumescência peniana noturna anormal observada em diabéticos com função erétil normal (Nofringer et al 1992).
    Medicamentos inibidores da PDE-5 são menos eficazes nos diabéticos do que em populações de homens sem essa patologia.  Pacientes diabéticos estão associados com um acelerado nível de aterosclerose, problemas micro-vasculares, neuropatias, dislipidemia, hipertensão e disfunção do endotélio.
    Esses problemas acima relacionados contribuem muito para a DE e a sua combinação potencializa os efeitos.  Em resumo, a idade do paciente, o tempo de duração do diabetes, o controle inadequado da glicemia bem como as complicações derivadas do diabetes aumentam o risco de DE em pacientes diabéticos.
    DISFUNÇÃO ERÉTIL E FATORES DE RISCO CARDIOVASCULARES Disfunção Erétil é bastante comum em homens que têm problemas coronarianos.  Cardiologistas precisam estar atentos dessa conexão e perguntar aos pacientes com problemas coronarianos e fatores de risco para doenças arteriais da coronária sobre sua saúde sexual.  Identificar e tratar os riscos coronarianos nos pacientes que apresentam DE não vai somente ajudar na parte sexual como pode também vir a salvar a vida do paciente. (7- Erectile Dysfunction and Cardiovascular Risk Factors – Robert A Kloner, MD PhD)
    Observou-se que, diversos homens que tiveram problemas cardiovasculares, ao serem questionados a respeito da parte de ereção, informaram que realmente sentiram algum tempo antes alteração na parte sexual.  A parte sexual é bastante sensível e, em muitos casos é afetada antes da parte cardíaca, ou seja, podemos e devemos observá-la como um “aviso” de que algum outro problema, no caso o cardiológico pode estar ocorrendo.
    PROSTATA A próstata é um órgão interno presente somente nos homens e  tem o tamanho aproximado de uma ameixa Fica logo abaixo da bexiga, envolvendo a uretra, que é o canal por onde passa a urina durante a micção. É uma glândula que faz parte do sistema reprodutor masculino, produzindo um líquido que se junta à secreção da vesícula seminal para formar o sêmen.  Dentro da próstata ocorre a transformação do principal hormônio masculino - testosterona - em diidrotestosterona que por sua vez é responsável pelo controle do crescimento dessa glândula  Já está provado que seu crescimento está relacionado com o avanço da idade. Quando a próstata aumenta muito de volume pode se transformar em uma verdadeira ameaça para o bem-estar do homem, pois começa a comprimir a uretra e a dificultar a passagem da urina. Os principais sintomas ocasionados pela obstrução urinária decorrente do crescimento prostático são o jato urinário fraco e sem pressão e às vezes interrompido, sensação de urgência em urinar e dificuldade ou demora em iniciar a micção, acordar diversas vezes à noite para urinar e sensação de esvaziamento incompleto da bexiga. Em casos de obstrução mais grave há necessidade da colocação de uma sonda na bexiga para permitir a drenagem da urina. Existem 3 tipos de doenças que podem afetar a próstata: a Hiperplasia Prostática Benigna (HPB ), a prostatite (inflamação ou infecção da glândula) e o câncer da próstata. Alguns sintomas que podem indicar algum tipo de problema com a próstata
    • Atraso para iniciar a micção e/ou esforço para finalizar a micção
    • Prolongamento do tempo para micção
    • Jato miccional entrecortado dividindo a micção em 2 ou mais tempos
    • Dificuldade em urinar com a bexiga cheia
    • Aumento do número de vezes que urina (Polaciúria)
    • Urgência em urinar
    • Sangue ou ardor ao urinar
    • Aumento da freqüência com que vai ao banheiro à noite (Nictúria)
    • Globo vesical palpável (devido à retenção da urina)
    • Gotejamento ao final da micção

1 Comentários:

Landry Personnier disse...

Eu estava indefeso sexo do trabalhador, durante 5 anos, após um acidente de trânsito. Meu sexo aumenta mais. Mas agora eu encontrar minha ereção graças ao curador KINHA, que é dotado de um poder e uma oração para ser muito eficaz para curar as pessoas, de impotência. Eu estou tentando testemunho, porque ele tem cura. se você deseja entrar em contato com ele aqui está o endereço : grandpretrekinha@gmail.com