29/04/2011

Tratamentos Para Engravidar

INDUÇÃO DA OVULAÇÃO

Medicamentos Envolvidos

Análogos: Agonistas / Antagonistas do GnRH: 


São utilizados nos protocolos de supressão da hipófise em reprodução assistida, com o objetivo de reforçar o controle do ciclo da mulher e a estimulação dos ovários. Atuam na prevenção de um evento hormonal denominado pico de LH, que promove a ovulação prematura.

Gonadotrofinas

As gonadotrofinas promovem o crescimento e desenvolvimento dos folículos ovarianos.
As de origem humana contêm FSH e LH (hMG), podendo ser altamente purificadas.
A recombinante contém FSH puro podendo melhorar a qualidade folicular e a dos oócitos.

Gonadotrofinas Coriônicas

As gonadotrofinas coriônicas podem ser de origem humana ou recombinantes, simulam a ação do LH e auxiliam no amadurecimento dos oócitos.

As drogas de escolha para promover a ovulação, (após estimulação e desenvolvimento folicular), apresentam comprovada eficácia na ruptura do folículo ovariano 36 horas após sua administração.

Progesterona

A progesterona tem a função de preparar a camada interna do útero (endométrio) para a recepção do embrião, propiciando um ambiente adequado para implantação do embrião dando continuidade à gravidez.
 

MONITORAÇÃO DA OVULAÇÃO

É realizado através da ultra-sonografia transvaginal com o intuito de avaliar:

1 - Crescimento folicular além de 16/18mm de diâmetro;

2- A quantidade de folículos maduros de 1 a 4 folículos para relação programada ou inseminação intra-uterina; de 7 a 14 folículos para fertilização in vitro;

3- Verificação do crescimento da espessura endometrial que deverá atingir de 7mm ou mais.
• QUALIDADE
DOS FOLÍCULOS













• ESPESSURA ENDOMETRIAL


GRAVIDEZ ESPONTÂNEA
Orientar o casal a ter relação sexual no período fértil em dia alternados. O tempo necessário de espera para que ocorra gravidez naturalmente depende da idade da paciente:
menos de 30 anos, dois anos, entre 30 e 40 anos, um ano, após 40 anos, seis meses.
Após este período de espera, devemos propor outras opções de tratamento para infertilidade. 

• TRATAR AS CAUSAS
DA INFERTILIDADE
 AVALIAÇÃO GINECOLÓGICA
E OVULATÓRIA
 
• AGUARDAR 12 MESES COM
RELAÇÕES REGULARES


RELAÇÃO PROGRAMADA
Nesta técnica a ovulação é confirmada por meio de ultra-sonografia. Pode ser espontânea ou induzida com o intuito de se obter de 1 a 4 folículos com oócitos maduros, que serão fertilizados nas tubas durante as relações sexuais programadas para o dia da ovulação. 
• COM OVULAÇÃO
ESPONTÂNEA
 COM OVULAÇÃO
INDUZIDA
INSEMINAÇÃO INTRA-UTERINA (I.I.U)
Este procedimento, também conhecido com “inseminação artificial”, envolve a colocação de sêmen capacitado no útero, através do colo, por meio de um pequeno catéter.

A I.I.U é freqüentemente realizada após tentativas fracassadas de relações sexuais programadas ou se não houver uma interação muco cervical / espermatozóide.

Na I.I.U. os espermatozóides são injetados depois da barreira cervical, no fundo do útero, para permitir que eles se movam em direção à tuba uterina e atinjam o oócito.

Etapas do procedimento: uso de medicamentos para produzir folículos múltiplos, liberar mais de um oócito (um a quatro) e fertilização do oócito pelo espermatozóide no terço distal das tubas.

Indicações

• TRANSTORNO DE EJACULAÇÃO
• TESTE PÓS-COITO NEGATIVO
• OLIGOASTENOESPERMIA
• MUCO ALTERADO
• FATORES COMBINADOS
• INFERTILIDADE SEM CAUSA APARENTE (ISCA)


Vantagens
• NÃO NECESSITA DE ALTA TECNOLOGIA
• MÉTODO DO NÃO-INVASIVO
• MENOR CONSUMO DE TEMPO
• FÁCIL EXECUÇÃO
• REALIZAÇÃO EM CONSULTÓRIO
• INSEMINAÇÃO INTRA - UTERINA
Esquema 1:
Citrato de clomifeno (CC) 50 mg dia do 3º ao 7º dia do ciclo, associado à gonadotrofinas (FSH ou hMG) no 5º, 7º e 9º (75 UI em pacientes com menos que 35 anos ou 150 UI em pacientes com mais de 35 anos). Doses adicionais de gonadotrofinas poderão ser orientadas a partir do 10º dia na dependência da resposta dos folículos.

Esquema 2:
FSH ou hMG dias alternados a partir do 3º dia do ciclo (75 a 150 UI) , podendo prolongar-se até o 12º dia na dependência da resposta ovariana verificada pela ultra-sonografia seriada. 
 INDUÇÃO DE 1 A 4
FOLÍCULOS ACIMA DE 16 MM
 ENDOMÉTRIO
ACIMA DE 7 MM
• CAPACITAÇÃO
DO SÉMEN
• INSEMINAR 36 H
APÓS HCG
• SÉMEN PARA O
INTERIOR DO ÚTERO
• PROGESTERONA
200 MG/ DIA
• BETA HCG
APÓS 14 DIAS
• USG APÓS
28 DIAS
 
• COMEÇAR O
PRÉ-NATAL




INJEÇÃO INTRACITOPLASMÁTICA DE ESPERMATOZÓIDES (I.C.S.I)O que é (I.C.S.I)

Para que a fertilização in vitro tenha sucesso, é necessária a presença de um número mínimo de espermatozóides com morfologia e motilidade adequadas, porém muitos homens não estão enquadrados nesta situação.

A ICSI é um tipo de fertilização assistida microcirúrgica que envolve a injeção de um único espermatozóide diretamente dentro de um oócito, com auxílio de micromanipuladores, (instrumentos sofisticados que operam micropipetas).

Etapas da (I.C.S.I)

1)
 Os oócitos para ICSI são obtidos exatamente da mesma maneira que na FIV.

2) Após a retirada do oócito, as células que o circundam são cuidadosamente removidas através da Hyaluronidase.

3) Os oócitos são examinados como o auxílio de microscópio e apenas aqueles considerados maduros estão adequados para a injeção.

4) Em geral, 70% dos oócitos obtidos estão adequados para a ICSI.

5) Os espermatozóides são lavados e preparados através de meio de cultura.

6) O oócito e o espermatozóide são então colocados em um microscópio especial com micromanipuladores acoplados.

7) Um micromanipulador mantém o oócito no lugar, enquanto o outro é utilizado para injetar o espermatozóide que foi imobilizado.

8) Os procedimentos restantes são similares aos da FIV com respeito à incubação e transferência dos embriões .

OBS: A I.C.S.I permite uma taxa de fertilização maior que a F.I.V.

 APARELHO I.C.S.I MICRO INJEÇÃO
 
• IMOBILIZAÇÃO E ASPIRAÇÃO
DE ESPERMATOZÓIDES
 
• MICRO INJEÇÃO PASSO A PASSO


 

0 Comentários: