26 de dez de 2011

Posso ficar grávida menstruada?? Quando é o período fértil??


Para entendermos melhor este assunto, recomendo que leia primeiro sobre a menstruação.

O que é ciclo menstrual e de quantos dias é?
Ciclo menstrual corresponde ao primeiro dia da descida da menstruação até o primeiro dia da próxima menstruação e dura em média 28 a 30 dias, podendo variar em algumas mulheres podendo apresentar ciclos mais longos ou mais curtos.
Para determinar quantos dias é o seu ciclo, é preciso pegar vários ciclos consecutivos e contar de quantos dias é a duração dos seus ciclos. A menstruação não cai sempre no mesmo dia, pois os meses tem número de dias diferentes de 28, 30 e 31 dias.
Para o cálculo do numero de dias do ciclo, conte o numero de dias entre os primeiros dias de duas menstruações. Os números de dias podem não ser iguais podendo variar em média de 1 a 2 dias para ciclos regulares. Quando a variação de dias é muito grande (de dias ou até semanas), falamos que o ciclo é irregular.
Para determinarmos o período fértil devemos pegar somente mulheres com os ciclos regulares. A ovulação ocorrerá 14 dias antes da próxima menstruação, que corresponde à fase do corpo lúteo de 14 dias (folículo em involução após a ovulação).
Em mulheres com os ciclos irregulares não temos como fazer este cálculo, pois não temos como saber quando será a próxima menstruação e assim calcular o dia da ovulação. Nos ciclos regulares podemos calcular a data da próxima menstruação com erro de 1 a 2 dias em média.
Calcular e saber quando é o período fértil para as mulheres com ciclo regular, não significa que o uso da tabelinha seja um método eficaz de contracepção. Pois os ciclos regulares podem desregular por vários fatores, como o psicológico, emocional ou por doenças, não tendo a mesma eficácia contraceptiva de outros métodos.
Então vamos conhecer o período fértil e o dia da ovulação.
Vamos pegar um ciclo de 30 dias para facilitar as contas. Considerando então um ciclo de 30 dias, qual será o dia e qual o período fértil da mulher neste ciclo?
A ovulação ocorre no 14 dias antes da próxima menstruação, então neste ciclo o dia da ovulação será aproximadamente no 16 dia do ciclo.
Se dividirmos o ciclo menstrual em 3 períodos de 10 dias:
- 10 dias iniciando do primeiro dia da menstruação,
- 10 dias no meio do ciclo,
- 10 dias antes da próxima menstruação),
Em quais 10 dias ocorrerá a ovulação?
A ovulação ocorrerá aproximadamente no 16 dia do ciclo (ciclo de 30 dias) então cairá nos 10 dias do meio do ciclo, que será considerado o período fértil. Os primeiros 10 dias (contando com os dias da menstruação) e os 10 dias que antecedem a menstruação não são considerados férteis, pois neste período não esta ocorrendo ovulação e no caso de já ter ovulado, este óvulo já não é mais viável para fecundação e é absorvido pelo organismo antes da menstruação. Na menstruação não esta eliminando o óvulo e sim o endométrio.
Quantos dias a mulher fica ovulando?
A mulher ovula apenas em um dia, mas o óvulo fica vivo (viável 2 dias dentro do corpo da mulher). Mas se a mulher ovula apenas um dia por que o período fértil fica em torno de 9 a 10 dias?
Vamos entender…
O período fértil é o período onde a mulher terá mais possiblidade de engravidar e tem aproximadamente de 9 a 10 dias, por que:
1- A mulher não ovula sempre no mesmo dia todos os meses, às vezes adianta ou atrasa de 1 a 2 dias. Assim com conta em média de 2 dias antes e 2 dias depois para margem de segurança (total de 4 dias).
2- O espermatozoide tem uma média de sobrevivência dentro do organismo em torno de 3 dias (significa que mesmo após três dias da relação sexual ele permanece vivo podendo fecundar o óvulo caso ocorra a ovulação).
3- O óvulo tem em média 2 dias de sobrevida, que significa que mesmo tendo relação 2 dias após a ovulação corre o risco de engravidar.
Assim a contagem fica: 1(2 dias)+2(3 dias)+3(2dias)+1(2 dias)= 9 dias.
Entendemos para ciclos regulares de 30 dias:
1 – 10 primeiros dias Não São Férteis (Não fica grávida), incluindo os dias da menstruação;
2 – A ovulação ocorre 14 dias antes da próxima menstruação + viabilidade do espermatozoide + viabilidade do óvulo + margem de segurança completam o Período Fértil (Fica Grávida) na metade do ciclo, em torno de 9 a 10 dias.
3 – 10 últimos dias do ciclo antes da próxima menstruação Não São Férteis (Não fica grávida);
4 – Não fica GRÁVIDA 5 dias antes e 5 dias depois da menstruação, pois eles ficam fora do período fértil, que está na metade ciclo.

Se gostou do artigo pode marcar este site com um click no +1 na pesquisa do Google para destacar o conteúdo e recomendá-lo.

3 de nov de 2011



Eu só posso imaginar

Eu só posso imaginar como será
Quando eu andar ao seu lado
Eu só posso imaginar o que meus olhos verão
Quando sua face estiver diante de mim
Eu só posso imaginar

Refrão
Envolvido por sua glória
O que meu coração sentirá?
Eu dançarei pra você Jesus?
Ou em respeito a você ficarei quieto?
Ficarei de pé em sua presença?
Ou cairei de joelhos?
Eu cantarei aleluia?
Eu serei capaz de falar em tudo?
Eu só posso imaginar
Eu só posso imaginar

Eu só posso imaginar quando este dia chegar
E eu me encontrar diante do filho
Eu só posso imaginar quando tudo que farei
É pra sempre, pra sempre te adorar
Eu só posso imaginar
Eu só posso imaginar

(refrão 2x)

Eu só posso imaginar
Quando tudo que farei
É pra sempre, pra sempre te adorar
Eu só posso imaginar

Histeroscopia



Histeroscopia é a inspeção médica da cavidade uterina através de endoscopia. Permite o diagnóstico de patologias intrauterinas e serve como método para intervenção cirúrgica.
A histeroscopia diagnóstica é um exame realizado para observar a cavidade uterina e o canal cervical. A grande vantagem é a possibilidade de sua realização em ambulatório sem o uso da anestesia e sem requerer internação.
Ela permite a visualização direta do interior do útero, com introdução de instrumental e uma ótica via vaginal que varia de 1,2mm a 4mm de diâmetro, podendo ser realizada no próprio consultório.
Através da vídeo-histeroscopia, introduz-se pela vagina uma fina óptica no canal uterino, que leva luz ao seu interior, bem como um gás (gás carbônico) para distendê-la, tudo controlado pelo histeroflator automático que oferece proteção e segurança quanto à absorção de CO² pela paciente. A essa ótica acopla-se uma micro câmera, que leva a imagem até um monitor de TV permitindo assim a visualização do canal cervical com uma nitidez magnífica e as patologias existentes neste local. Após o exame a paciente poderá retornar às suas atividades cotidianas normais. Todos os exames são fotografados.
A este recurso dá-se o nome de histeroscopia diagnóstica.
Indicações diagnósticas:
  • Infertilidade.
  • Abortamento habitual.
  • Sangramento uterino anormal.
  • Pólipos.
  • Miomas.
  • Aderências.
  • Espessamento do endométrio.
  • Adenocarcinoma do endométrio.
Cavidade uterina visualizada na histeroscopia diagnóstica
Indicações da Histeroscopia Cirúrgica:
Após a constatação de alguma patologia que tenha necessidade cirúrgica, o médico solicitará uma internação da paciente para realização da Histeroscopia Cirúrgica, cujo tratamento também poderá ser feito pela via endoscópica. A Vídeo Histeroscopia operatória permite que a cirurgia seja feita através do colo do útero, sem necessidade alguma de incisões ou cortes, em ambiente hospitalar, com internação de, no máximo, 24 horas.
Apesar de ser realizada da mesma forma que a Histeroscopia Diagnóstica, a Vídeo Histeroscopia operatória exige internação e anestesia, pois os instrumentos utilizados são mais calibrosos. Mesmo assim o método reduz significativamente o risco de infecção hospitalar e o tempo de recuperação da paciente é mínimo.
A histeroscopia apresenta menos de 1% de complicações cirúrgicas. Indicações Cirúrgicas:
  • Retirada de miomas
  • Retirada de pólipos.
  • Retirada de sinéquias (cicatrizes) ou de septos (alteração congênita).
  • Ablação do Endométrio (alternativa à histerectomia) para diminuição de hemorragias.
  • Remoção de corpo estranho.
  • Biópsia dirigida.
  • Cateterização Tubária.

18 de out de 2011

Gravidez passo a passo




 Click na seta e veja passo a passo a gravidez

Seu ciclo menstrual


A menstruação é uma descamação do endométrio (membrana que reveste a cavidade do útero, em vermelho na figura), acompanhada de saída de sangue. Isto ocorre porque os ovários reduzem muito a secreção de hormônios, e estes, por vários mecanismos, reduzem o estímulo ao endométrio, cujas células morrem e descamam. O primeiro dia do ciclo menstrual é o dia em que a menstruação se inicia.




Enquanto o endométrio descama, o hormônio FSH (folículo estimulante) começa a ser secretado em maior quantidade pela hipófise (glândula situada no cérebro), fazendo com que se desenvolvam os foliculos ovarianos (bolsas de líquido que contém os óvulos ou oócitos). Perto do 7º dia do ciclo, o FSH começa a diminuir e, com a falta desse hormônio, alguns folículos param de crescer e morrem. Por isso, em cada ciclo menstrual, de todos aqueles folículos que começam a crescer, apenas um se desenvolve e vai ovular.

Durante seu crescimento, o folículo ovariano produz quantidades de estradiol, hormônio feminino, cada vez maiores. Esse hormônio produz aumento da espessura do endométrio, preparando-o para receber o embrião. Também favorece a secreção do muco cervical ("clara de ôvo"), que às vezes flui pela vagina.


Quando a quantidade de estradiol atinge seu máximo, é estimulada a liberação de grande quantidade de hormônio luteinizante (LH) pela hipófise. Algumas horas após, ocorre a ovulação. Como o LH é secretado pelos rins e sai na urina, sua medida na urina pode ser útil para determinar a proximidade da ovulação.


 
.Após a ovulação, o folículo se transforma numa estrutura chamada corpo lúteo, e passa a fabricar, além do estradiol, o hormônio progesterona, que prepara do endométrio para a implantação do embrião. Se a concentração deste hormônio no sangue for baixa, o endométrio pode ser não receptivo ao embrião e não ocorre gravidez.. Ainda não se conhece com toda a precisão o dia da implantação do embrião: parece acontecer de cinco a dez dias após a ovulação. Se não ocorre implantação, a progesterona e o estradiol param de ser fabricados pelo corpo lúteo, seu nível diminue no sangue e se inicia outra menstruação.

Estou ovulando?


Algumas formas de conhecer o intervalo de dias dentro do qual acontece a ovulação estão descritos abaixo. A precisão e simplicidade de cada um varia, não existindo uma forma de determinar a ovulação com precisão absoluta. A ovulação acontece cerca de 14 dias antes da próxima menstruação. Assim, se os ciclos menstruais tiverem sempre mesma duração (o que é difícil), então será possível prever aproximadamente um período em que a ovulação possa ocorrer.
  • dor no baixo abdomen: dentre as muitas causas de dor, uma delas é a ovulação, especialmente se a dor acontecer mais ou menos 14 dias antes da próxima menstruação.
  • secreção de muco cervical: é a saída, pela vagina, de uma secreção que parece com clara de ovo. Isto acontece, aproximadamente, entre um dia antes até um dia depois da ovulação.
  • temperatura do corpo: perto da ovulação, a temperatura do corpo aumenta em até meio grau centígrado. É preciso, então, tirar a temperatura todos os dias (de preferência antes de levantar-se, pela manhã, colocando o termômetro sob a língua), para saber o dia do aumento. Este aumento pode acontecer, aproximadamente, de dois dias antes até dois dias depois da ovulação.
  • testes de hormônios: existem testes desenvolvidos para detectar, na urina, o aumento do hormônio LH, que precede de mais ou menos um dia a ovulação.

Hormônios mais Importantes para engravidar


FSH - Abreviatura inglesa de hormônio folículo-estimulante. Atua nos folículos ovarianos, promovendo seu crescimento e proporcionando um meio adequado ao desenvolvimento dos óvulos (oócitos). A dosagem de FSH no sangue, feita entre o primeiro e o quinto dia do ciclo menstrual, tem relação com a quantidade de folículos (e também de óvulos) que existem nos ovários: quando esta quantidade é pequena, o valor de FSH é alto. Desta forma, para a reprodução, é melhor que o FSH tenha concentração plasmática baixa. A concentração de FSH no sangue tende a aumentar com a idade, sendo muito alta na menopausa.

LH - Abreviatura inglesa de hormônio luteinizante. Este hormônio, também produzido na hipófise, como o FSH, atua principalmente na iniciação do mecanismo de ovulação. Quando o LH aumenta no sangue (o que ocorre aproximadamente no meio do ciclo menstrual, perto do 14º dia), o folículo se rompe e libera o óvulo, que pode ser capturado pela tuba (trompa). Se a concentração de LH no sangue for muito alta, pode ocorrer dificuldade de crescimento dos folículos e maturação dos óvulos, levando a infertilidade por falha na ovulação.

E2 - Abreviatura de estradiol, hormônio produzido pelos folículos ovarianos e que determina as características sexuais femininas. Quando o FSH induz o crescimento dos folículos, estes produzem quantidades cada vez maiores de estradiol. Quando existem poucos folículos ou seu funcionamento não é adequado, a quantidade de estradiol no sangue se torna baixa, o que acarreta uma redução das características sexuais femininas. Isto ocorre na menopausa, e pode ser tratado através da reposição hormonal com estradiol.

PROLACTINA - é secretada pela hipófise (como o FSH e o LH) e tem papel importante durante a lactação. Algumas vezes, sua concentração no sangue aumenta muito, o que acaba por produzir alterações na secreção de FSH e LH, prejudicando o crescimento dos foliculos e trazendo a infertilidade como consequencia. Frequentemente tumores da hipófise aumentam a prolactina no sangue, o que também ocorre quando existem alterações na secreção de hormônios da tireóide.

HORMÔNIO ANTI-MÜLLERIANO - produzido pelos ovários, é indicador indireto do potencial dos folículos ovarianos.

PROGESTERONA - produzida pelo folículo ovariano após a ovulação (chamado, então, de corpo lúteo), prepara o endométrio uterino para a implantação do embrião.

14 de out de 2011

Infertilidade na mulher: os exames a fazer


Sonohisterografia, histerossalpingografia e sonohisterossalpingografia são alguns dos exames a que é preciso de se submeter. Além disso existem as ecografias 3D e 4D.
  • A sonohisterografia é um exame ecográfico que permite o estudo preciso e indolor da cavidade uterina através da inserção de um cateter no canal cervical e introdução de soro fisiológico estéril. O exame inteiro leva uma média de 15-20 minutos e é indolor. É realizado nos primeiros dias após a paragem das menstruações.
  • A histerossalpingografia é um método de contraste que consiste na opacificação da cavidade uterina e trompas de Falópio através da introdução de um meio de contraste iodado e radiopaco. Permite o diagnóstico de malformações uterinas, pólipos, evidencia sinéquias e fibromas e verifica a permeabilidade tubárica.
  • sonohisterossalpingografia é um método de contraste ecográfico que não requer a utilização de um meio de contraste radiopaco nem raios-x sucessivos. Introduz um cateter fino no canal cervical e enche-se um balão na extremidade, para o manter no sítio: através desse cateter é injectado no útero uma pequena quantidade de soro fisiológico. Através de uma sonda de ultra-sonografia transvaginal observa-se se há saída de fluido das tubas. Além da permeabilidade tubárica, é possível avaliar a presença de pólipos, miomas e patologias endocavitárias do útero.
  • Ecografia 3D e 4D, obtém-se uma imagem tridimensional extremamente precisa e muito semelhante à das estruturas anatómicas que se esta a visualizar. Estes dois métodos permitem a avaliação e medição de malformações da cavidade uterina.
  • A histeroscopia permite examinar a cavidade uterina através da passagem de um pequeno instrumento de fibra óptica (histeroscópio) através do canal cervical até visualizar toda a cavidade. É o teste mais fiável para a avaliação de patologias endocavitárias como miomas, pólipos, septos completos e sub-septo.
  • A laparoscopia é a inspecção visual da anatomia da tuba uterina e sua posição em relação ao ovário, evidenciando também as aderências e alterações morfo-funcionais da cavidade peritoneal. Efectua-se mediante a inserção de uma sonda óptica na cavidade peritoneal através de uma pequena incisão na parede abdominal. Inspeccionados os órgãos reprodutivos é injectado líquido de contraste através do canal cervical para visualizar a passagem através do tubo.
    Este método requer anestesia geral e internamento por um par de dias.

21 de set de 2011

Para engravidar, namorar todos os dias ou em dias alternados?

Muitas mulheres reclamam que têm relações diariamente mas não conseguem engravidar. E não é que o problema pode estar aí?
Ao contrário do que se possa pensar, quando um casal 
deseja engravidar não é aconselhável que faça amor todos os dias!!! 
Esta prática, pode contribuir para atrasar a gravidez. Então, 
nada de pensar que quanto mais melhor? 

É que depois de ejacular o homem diminui o numero de 
espermatozóides e só se dá uma recuperação passados dois ou três dias. 
Por isso os especialistas aconselham a manter relações a cada dois ou 
três dias.
Mas atenção: Não pode é achar que quanto mais dias se 
passarem depois da última ejaculação, mais espermatozoide terá... 
Ao fim de quatro dias os espermatozoides começam a envelhecer 
perdendo mobilidade. Assim é recomendável ter relações a cada 
dois ou três dias, pois os espermatozoides serão abundantes, 
cheios de vitalidade e sãos.
O que os médicos dizem é que ao contrário do que muita gente 
pensa a pratica sexual diária pode até mesmo prejudicar as chances 
de engravidar, dessa forma ele pode ejacular espermatozoides prematuros 
incapazes de fertilizar o óvulo além de pouca quantidade pois em 24 h não 
deu tempo de produzir uma boa quantidade e por isso recomendam que 
o sexo deve ser feito em dias alternados. Explicam que já que o 
espermatozóide sobrevive ate 3 dias no útero, se o casal tiver relação 
dia sim, dia não 
haverá sempre um espermatozoide a caminho do ovulo.

A quantidade de espermatozoides diminui com a frequência de 
ejaculações então é melhor manter relações sexuais dia sim, dia não pelo 
menos nas duas semanas que antecedem a ovulação e nunca mais de 
uma vez ao dia... A lógica disso, portanto, é que o homem precisa de um 
tempo para amadurecer espermatozoides em grande quantidade e de boa 
qualidade. À medida que o homem vai ejaculando sucessivamente em 
pequeno intervalo de tempo, a quantidade e a qualidade dos 
espermatozóides vai  diminuindo, o que diminui 
também as probabilidades de gravidez.

Mais uma coisinha, segundo os especialistas, não existirá problema se o 
sêmen sair da vagina depois da penetração já que ficaram dentro da vagina 
vários milhares/milhões a caminho do óvulo. Estes se mantêm vivos durante 
72 horas, dai a possibilidade de ficar grávida se teve relações antes de ter 
ovulado.


fonte: http://goya.e-familyblog.com/note/21682/para-engravidar-namorar-todos-os-dias.html

15 de set de 2011

GRAVIDEZ ECTÓPICA

O QUE É?
Gravidez ectópica é a gestação que ocorre fora da cavidade uterina.


O QUE CAUSA?
As causas incluem todos os fatores que retardam ou impedem a passagem do ovo para a cavidade uterina. Podem ser: 
fatores mecânicos, como as causas inflamatórias e suas conseqüências, os tumores ou anormalidades do desenvolvimento das trompas e as cirurgias sobre as trompas
fatores funcionais, que agem diminuindo a motilidade das trompas. Incluem o fumo,
o próprio processo de envelhecimento e drogas hormonais como as indutoras da ovulação e a progesterona usada em mini-pílulas, a pílula do dia seguinte e o DIU contendo progesterona.




COMO SE DESENVOLVE?
A grande maioria das gestações ectópicas ocorre nas trompas. Na maior parte das vezes se localiza nas porções distais, principalmente na ampola.
A gravidez ectópica geralmente sofre interrupção (ruptura) entre 6 e 12 semanas, dependendo do local onde está implantada, sendo tanto mais precoce quanto menor o calibre da luz tubária do segmento em que estiver implantada.
COMO SE FAZ O DIAGNÓSTICO?
A gravidez ectópica pode representar uma emergência cirúrgica, portanto seu diagnóstico precoce é essencial. Na gravidez ectópica não interrompida, a paciente pode não ter sintomas ou ter sintomas mínimos.
Alguns exames podem ser realizados para diferenciar a gestação ectópica de outras doenças, tais como ameaça de aborto, gestação normal, infecções das trompas, apendicite, cisto de ovário torcido.
Os exames comumente solicitados são testes para confirmar a gravidez, exames de sangue para determinar a perda sanguínea e a presença de infecção e a ecografia pélvica transvaginal.
Podem ser necessários outros exames como a punção do fundo de saco vaginal com agulha grossa para determinar a presença de sangue dentro da cavidade abdominal e a realização de uma laparoscopia diagnóstica.
O QUE SE SENTE?
Os sinais e sintomas clássicos são: 
história de atraso menstrual seguida por sangramento vaginal anormal
dor pélvica ou abdominal de intensidade variável
presença de massa palpável dolorosa em região de anexos (trompas e ovários).
Quando ocorre ruptura da gravidez ectópica, há uma hemorragia importante para dentro da cavidade abdominal, com a ocorrência de dor abdominal de intensidade variável, de tonturas, dor no pescoço, ombro e desmaio.
COMO SE TRATA?
O tratamento pode ser expectante naqueles casos onde a gravidez ectópica se localiza na trompa e ainda não rompeu, mede menos de 4 cm, não se constata a presença de batimentos cardíacos fetais e os níveis hormonais estão diminuindo.
O tratamento cirúrgico, que em alguns casos pode ser conservador, preserva a trompa e geralmente é realizado por laparoscopia, sendo a laparotomia uma medida muitas vezes salvadora em uma paciente com comprometimento hemodinânico (porque já houve sangramento importante para dentro da cavidade abdominal - sangramento oculto).
COMO SE PREVINE?
A prevenção da gravidez ectópica inclui fundamentalmente o tratamento das doenças sexualmente transmissíveis, o uso de métodos anticoncepcionais adequados e a prática de sexo seguro. 

Prestem Bastante Atenção nesse Artigo!



Se você está tendo problemas para engravidar, Seu médico pode recomendar Citrato de Clomifeno (Clomid) como primeira tentativa.
Clomifeno é um medicamento para fertilidade vendido em farmácias com o nome de clomid, indux ou serophene. Ele é recomendado para mulheres com ovulação irregular ou que não ovulam.
Veja como clomifeno funciona nas mulheres. No inicio do ciclo menstrual (1º dia da menstruação), você terá que tomar 1 comprimido por dia durante 5 dias. Este remédio induz o Hipotálamo no seu cérebro a produzir hormônio luteinizante (LH) que faz s óvulos desenvolverem e serem liberados pelos ovários a caminho das trompas. Você ira ovular dentro de 5 a 12 dias depois de terminar o ultimo comprimido no intervalo entre tomar os comprimidos e a sua ovulação, o medico ira monitorar seu ciclo para saber o dia em que você está prestes a ovular. O clomifeno é muito eficaz na indução da ovulação 80% das mulheres que tomam conseguem ovular dentro de alguns ciclos. Mas a ovulação não é garantia de concepção!!!Apenas cerca de 40% das mulheres que tomam ficam grávidas atualmente. Clomifeno também pode ajudar homens com baixa contagem ou qualidade ruim de espermatozóides. Quando um homem toma, sua glândula pituitária é induzida a produzir mais LH que induz os testículos a produzirem mais testosterona e possivelmente mais espermatozóides. Homens tomam clomifeno por um período entre 3 e 6 meses. Clomifeno é mais barato e menos evasivo do que outros tratamentos e pode ser a primeira arma contra infertilidade.