24 de mai de 2011

Visita ao Ginecologista

Frequência Anual: 
Toda mulher que teve ou tem vida sexual deve consultar o ginecologista uma vez por ano para fazer o exame de toque, pélvico e colher material para o teste de papanicolau.
O exame interno ou pélvico, aquele feito com ajuda do espéculo, permite ao médico coletar material e observar o colo do útero, como se chama a entrada do órgão, atrás de sinais de corrimentos indesejáveis, de doenças.e suspeita de câncer. O câncer cervical, também chamado de câncer de colo do útero ainda afeta muitas brasileiras (clique aqui para saber mais).
No exame de toque com apalpação abdominal o ginecologista consegue perceber se existe alguma irregularidade nos ovários, trompas de falópio e no útero.


Outras frequências: 
Os casos em que o exame pélvico deve ser repetido e menos de um ano:
  • Sangramento fora das menstruações ou fluxo menstrual muito intenso
  • Sangramento após a menopausa
  • Irritação ou coceira nos genitais ou corrimentos suspeitos
  • Dor e sangramento durante a relação sexual
  • Presença de sinais estranhos como manchas, verrugas ou vermelhidão na vulva (a região da entrada da vagina).
O que é exame Papanicolau? 
O nome é homenagem a seu descobridor, o cientista de origem grega George Papanicolaou (1883-1962), que estudou a citologia vaginal e conseguiu descrever as células malignas em seus primeiros estágios de desenvolvimento e desenvolver um teste para detecção precoce do câncer de útero.
O Papanicolau consiste no exame em microscópio de uma amostra de células que o ginecologista coleta raspando com uma espátula especial a região da entrada do útero. Ele detecta o câncer de colo de útero precocemente, ao detectar a presença de células fora do padrão em seus primeiros estágios de desenvolvimento.
A análise serve para diagnosticar além do câncer, no início, também as doenças infecciosas chlamydia, gonorreias, trichomonas e candidíase e a contaminação pelo HPV, sigla que vem do inglês Human Papiloma Vírus. 

Rotinas de exames: (Click na imagem para aumentar)

Cuidados com o Útero:

O câncer de útero é o terceiro tipo de câncer que mais afeta as brasileiras. O primeiro é o câncer de mama e o segundo, de pele.(não melanoma). De acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), o câncer de útero mata mais de 4 mil mulheres por ano, atualmente. Sua incidência no país é maior nas regiões norte e nordeste. É uma doença muito comum em países pobres ou em desenvolvimento.


Fatores de Risco:
Início da atividade sexual antes dos 18 anos de idade, pluralidade de parceiros sexuais, vício de fumar (diretamente relacionado à quantidade de cigarros fumados), higiene precária e uso prolongado de contraceptivos orais.Estudos recentes mostraram que o vírus do papiloma humano (HPV) e da Herpes Tipo II (HSV) desempenham papel importante na transformação das células cervicais em células cancerosas. O vírus do papiloma humano (HPV) está presente em 99% dos casos de câncer do colo do útero e o contágio por ele está diretamente associado ao relacionamento sexual e troca de parceiros.


Prevenção:
O rastreamento através do exame do papanicolaou continua sendo o melhor método preventivo. A coleta de material para o exame inclui amostras de células da região externa e interna do colo do útero. A eficácia do exame depende da observação de certos cuidados. A mulher deve evitar manter relações sexuais, usar duchas, medicamentos vaginais ou anticoncepcionais locais nos dois dias anteriores ao exame.


Freqüência dos exames:
Os dois primeiros, uma vez por ano. Se os dois resultados forem negativos para displasia ou neoplasia, o exame passa a ser necessário apenas a cada dois anos. Ele deve ser feito por toda mulher sexualmente ativa, ou que já manteve relações sexuais, principalmente depois dos 25 anos. A presença de distúrbios como menstruação muito longa, sangramentos vaginais no meio do ciclo ou depois de relações sexuais pode exigir a frequência maior do exame, a critério medico.


Sintomas:
Dor e sangramento durante a relação sexual são os principais, quando o tumor já está em estágio invasivo de desenvolvimento.

O Ciclo Feminino e o Desejo


O ciclo hormonal feminino é outro fator que pode influir sobre o desejo sexual e o prazer e deve ser observado. Diferente dos homens, que produzem testosterona (o hormônio da libido masculina) ininterruptamente a partir da puberdade, a mulher só produz estrogênio, o hormônio estimulante da libido feminina, durante metade do ciclo. Em um ciclo de 21 a 35 dias, com média de 28 dias, o organismo feminino libera estrogênio durante 14 dias após o primeiro dia de menstruação. No final desse período o óvulo está maduro, pronto para ser fecundado, inicia-se o período fértil e a produção de progesterona, o hormônio que prepara o ninho para o ovo, no interior do útero.
Os ginecologistas observam que a progesterona deixa as mulheres indiferentes em relação ao desejo. Não existem estudos científicos comprovando essa ação da progesterona sobre a libido feminina, mas é conhecida sua associação com as flutuações de humor. Algumas mulheres seriam mais suscetíveis do que outras à ação desse hormônio, daí o desinteresse sexual que muitas apresentam na segunda metade do ciclo, na avaliação dos médicos. Os distúrbios hormonais do ciclo sem dúvida prejudicam o prazer sexual, uma vez que produzem uma série de efeitos como transtorno de humor, cólicas terríveis, dores, enxaquecas, enfim, mal estar generalizado.



DISTÚRBIOS HORMONAIS
01 - Uma glândula como pouco mais de 1 centímetro alojada na base do cérebro, chamada hipófise, comanda a produção de hormônios no organismo. Qualquer alteração na hipófise pode afetar a libido.
02 - O excesso ou a queda de produção de hormônios pela tireóide também interferem no desejo sexual, atenuando-o.
03 - Problemas nas supra-renais desregulam a produção de testosterona, uma dos hormônios cruciais estimulante da libido masculina e também feminina.
04 - O desequilíbrio de produção de estrogênios e progesterona com queda nos níveis estrogênios diminui o desejo e a excitação e contribui para o ressecamento vaginal após a menopausa.

A IMPORTÂNCIA DO TOQUE
Para fazer sexo e vivenciar o desejo até o orgasmo é preciso estar disposto a aprender mais sobre o as sensações do próprio corpo. Os médicos e sexólogos tentam orientar as pessoas sobre a participação dos hormônios nesta história, como já vimos, e também sobre a importância de tocar-se para conhecer pontos sensíveis e saber conduzir o parceiro na estimulação destes.
Em todos os órgãos há regiões que concentram mais terminações nervosas e por isso são especialmente vulneráveis às sensações de prazer ou de dor, a começar da pele, lembra a dra. Carmita. O torso da nossa mão, por exemplo, é muito mais sensível ao toque do que a palma da mão. O clitóris e a entrada da vagina até o denominado ponto G (no primeiro terço da parede anterior do canal vaginal), concentram uma malha complexa de terminações nervosas e são particularmente suscetíveis à estimulação. Nos movimentos de penetração o homem deve estimular mais a entrada da vagina do que o fundo, que é pobre em terminações nervosas. A região do ânus é outra área de grande concentração de terminações nervosas e super sensível.


A FISIOLOGIA DO ATO SEXUAL
A relação sexual prazerosa se desenrola necessariamente em quatro fases. A fase do desejo, da excitação, de orgasmo e resolução. O desejo envolve o querer o outro e os pensamentos sexuais que levam a ter vontade de contato. A excitação inclui sensações de prazer com a preparação do corpo para o ato sexual. É o momento da ereção do pênis, nos homens, e da lubrificação da vagina, nas mulheres. O orgasmo é o ponto máximo da relação sexual. Ele ocorre sob a forma de descarga de energia ou da tensão sexual represada nas duas fases anteriores, a qual produz no corpo sensação de prazer intenso. A resolução é a fase de bem-estar e relaxamento proporcionada pelo exercício sexual como um todo.
Em cada uma dessas fases da atividade sexual o organismo produz substâncias químicas que causam mudanças físicas no corpo e abrem caminho à experiência do prazer erótico. Durante a excitação, há liberação de hormônios sexuais (estrógeno na mulher e testosterona no homem). A alta hormonal aumenta a circulação sangüínea e acelera os batimentos cardíacos.Os pêlos eriçam, a pele enrubesce e os órgãos sexuais dilatam, devido a grande concentração de sangue nos vasos que irrigam os tecidos da região. Na mulher, o clitóris e os lábios vaginais incham e a musculatura da entrada do canal se abre. No homem, ocorre a ereção.

OS BENEFÍCIOS DO PRAZER ERÓTICO
No ápice da excitação, entra em ação a endorfina, substância responsável pelas sensações de prazer. É o momento em que as células nervosas do cérebro "descarregam" a energia acumulada, promovendo no organismo a experiência do orgasmo. Na mulher, ele provoca a miotonia, como se chama a contração de tecidos musculares, especialmente na região pélvica, em espasmos involuntários. Algumas mulheres liberam grande quantidade de líquido no momento do orgasmo, semelhante a uma ejaculação seminal masculina. O organismo feminino produz ainda um outro hormônio nesse momento, a ocitocina, que produz contrações do útero, favorecendo a entrada dos espermatozóides.
As mudanças químicas e físicas descritas tormam o sexo uma atividade física que faz muito bem ao corpo. Ele ativa a circulação sangüínea, fortalece a musculatura pélvica --os músculos da bexiga, ânus, pênis e vagina --, deixa a pele com mais viço, melhora o sono e alivia dores de cabeça, de cólicas menstruais ou de origem reumática. O prazer sexual é fundamental ainda para o bem estar psíquico. Na medida em que contribui para descarregar tensões, ele pode aliviar o estresse, melhorar o ânimo e o humor e aumentar a auto-estima.

Métodos Hormonais Quais São?


ANTICONCEPCIONAIS ORAIS
OPÇÕES SOB MEDIDA
A pílula é o método anticoncepcional reversível mais utilizado no país. Estima-se que 20% das mulheres em idade fértil (entre 15 e 49 anos), utilizem contraceptivos orais. Eles contém hormônios sintéticos combinados (estrogênio e progestogênio) ou apenas progestogênios, que imitam os produzidos pelos ovários femininos. A variedade existente hoje confere às mulheres opções sob medida para acabar com a tensão pré-menstrual, cólicas, anemia e até interromper a menstruação, como se verá a seguir:

CONTRACEPTIVOS ORAIS COMBINADOS [COC]
São as pílulas que contém dois hormônios sintéticos (estrogênio e progesterona). Eles confundem e paralisam o processo natural de produção hormonal, inibindo com isso aovulação. Em algumas formulações, ainda espessam o muco cervical, a secreção que é produzida na entrada do útero, dificultando com isso a passagem dos espermatozóide em direção ao interior do órgão.
EFICÁCIA
usados corretamente, os contraceptivos orais combinados são altamente eficazes. Os estudos mostram que no primeiro ano de uso apenas 1 em cada 1000 engravidam apesar da pílula (0,1 mulheres em 100)
VANTAGENS
  • Reduz a preocupação com o risco da gravidez e melhora a espontaneidade da relação sexual;
  • Regulariza os ciclos menstruais e reduz o fluxo do sangramento e seu tempo de duração;
  • Diminui a frequência e a intensidade das cólicas menstruais;
  • Pode ser útil como anticoncepção de emergência, após uma relação sexual desprotegida;
  • Previne a anemia por privação de ferro;
  • Diminui a incidência de gravidez ectópica, câncer de endométrio, câncer de ovário, cistos de ovário, doença inflamatória pélvica, doenças mamárias benignas e miomas uterinos.
DESVANTAGENS
  • Náuseas, especialmente nos três primeiros meses de uso, dor de cabeça leve, sensibilidade nas mamas, ganho de peso, nervosismo e acne em cerca de 10% das usuárias;
  • Amenorréia (ausência de menstruação) e alterações no ciclo menstrual, especialmente nos três primeiros meses de uso, com presença de manchas ou sangramento nos intervalos entre as menstruações, principalente entre as mulheres que esquecem de tomar a pílula ou tomam tardiamente (mais comum nos 3 primeiros meses);
  • Alterações do humor, depressão e baixa da libido podem ocorrer, mas não são comuns.
CONTRA-INDICAÇÕES
  • Contraceptivos orais combinados não são indicados para mulheres que estão amamentando porque afetam a qualidade e quantidade do leite;
  • Fumantes (de um maço ou mais/dia) com mais de 35 anos correm risco de acidentes vasculares, tromboses venosas profundas ou infarto com doses plenas de COCs e devem usar os COCs de baixa dose;
RISCOS
  • Podem aumentar o risco de desenvolvimento de tumores no fígado, mas os casos malignos são extremamente raros;
  • Até onde se sabe a pílula combinada não aumenta o risco de câncer de colo uterino e de mama, mas são necessários mais estudos para que uma conclusão precisa a respeito.
  • Há dúvidas sobre a influência da pílula na aceleração do desenvolvimento de câncer pré-existente.
OS TIPOS DE CONTRACEPTIVOS ORAIS COMBINADOS
São classificados em três categorias de acordo com o esquema (a posologia) de administração hormonal. São eles:
MONOFÁSICOS - mais comuns, são encontradas em embalagens de 21 ou 22 comprimidos ativos. A grande maioria tem 21 comprimidos. Todos os comprimidos ativos têm a mesma composição e dose. Em algumas marcas, as cartelas incluem as 21 pílulas ativas e mais 6 ou 7 comprimidos sem hormônios, denominados placebo, para completar a série de 28 dias de comprimidos, o que ajuda a usuária a não perder o controle do uso correto da pílula.
BIFÁSICOS - contêm dois tipos de comprimidos ativos, com os mesmos hormônios mas em proporções que variam de acordo com o período do ciclo. Eles vêm em cores diferentes e devem ser tomados na ordem indicada na cartela.
TRIFÁSICOS - contêm três tipos de comprimidos ativos, com os mesmos hormônios que variam de acordo com o período do ciclo. Eles vêm em cores diferentes e devem ser tomados na ordem indicada na cartela.
HORMÔNIOS
MARCA
POSOLOGIA
ORAIS MONOFÁSICOS
Mestranol 0,1mg+noretindrona 0,5mg
Biofim
Megestran
21 ativas pílulas + 7 placebos
Etinil-estradiol 0,05mg+linestrenol 1,0mg
Anacyclin
21 ativas + 7 placebos
Etinil-estradiol 0,05mg+dl-norgestrel 0,5mg
Anfertil
Primovlar
21 pílulas ativas
Etinil-estradiol 0,05mg+levonorgestrel 0,25mg
Evanor
Neovlar
21 pílulas ativas
Etinil-estradiol 0,0375mg + linestrenol 0,75mg
Ovoresta
22 pílulas ativas
Etinil-estradiol 0,03mg+levonorgestrel 0,15mg
Microvlar
Nordette
Levordiol
Ciclo 21
Normamor
Levogen
21 pílulas ativas
Etinil-estradiol 0,03 mg+desogestrel 0,15mg
Microdiol
21 pílulas ativas
Etinil-estradiol 0,03mg+gestodeno 0,075mg
Gynera
Minulet
Tâmisa 30
21 pílulas ativas
Etinil-estradiol 0,03mg+gestodeno 0,075mg
Gestinol 28
28 pílulas ativas
Etinil-estradiol 0,035mg+acetato de ciproterona 2mg
Diane 35
Selena
21 pílulas ativas
Etinil-estradiol 0,02mg+gestodeno 0,075mg
Femiane
Harmonet
Diminut
Gestrelan
Micropil
Tâmisa 20
Ginesse
21 pílulas ativas
Etinil-estradiol 0,02mg+desogestrel 0,15mg
Mercilon
Femina
Minian
21 pílulas ativas
Etinil-estradiol 0,015 mg + gestodeno 0,060 mg
Minesse
Mirelle
24 pílulas ativas
Etinil-estradiol 0,015 mg + gestodeno 0,060 mg
Mínima
24 pílulas ativas +4 placebos
Etinil-estradiol 0,03mg+ drospirenona 3mg
Yasmin
21 pílulas ativas
ORAIS BIFÁSICOS
Etinil-estradiol 0,04mg/0,03mg+desogestrel 0,025mg/0,125mg
Gracial
22 pílulas ativas
EE 0,04mg+desogestrel 0,025mg - 7 comp
EE 0,03 mg+ desogestrel 0,125mg - 15 comp
ORAIS TRIFÁSICOS
Etinil-estradiol 0,03mg/0,04mg/0,03mg + levonorgestrel 0,05mg/0,075mg/0,125mg
Trinordiol
Triquilar
21 pílulas ativas
EE 0,03mg+LNg 0,05mg -6comp
EE0,04mg+LNg0,075mg-5comp
EE0,03mg+LNg0,125mg - 10comp
Etinil-estradiol 0,035mg/0,035mg/0,035mg + noretisterona 0,5mg/0,75mg/1,0mg
Trinovum
21 pílulas ativas
EE 0,035mg + norestiterona 0,5mg - 7 comp
EE 0,035mg+norestisterona 0,75mg - 7 comp
EE 0,035mg+ noretisterona 1,0mg - 7 comp


 
São pílulas que contém somente progestogênios. São também conhecidas como minipílulas e especialmente recomendadas para mulheres que estão amamentando ou que tem contra-indicação para usar estrogênios. A minipílula não contém este último hormônio e compõem'se de doses baixas de progestogênios, quase a metade do que é usado nos anticoncepcionais orais combinados (COC). Os progestagênios espessam o muco cervical dificultando a penetração dos espermatozóides.
ANTICONCEPCIONAIS ORAIS DE PROGESTOGÊNIO DISPONÍVEIS NO BRASIL
HORMÔNIOS
MARCA
POSOLOGIA
Noretisterona 0,35mgMicronor, Norestin35 ativas
Levonorgestrel 0,030mgNortrel, Minipil35 ativas
Linestrenol 0,5mgExluton28 ativas
EFICÁCIA
PARA LACTANTES
Usada corretamente essa pílula tem alta eficácia. O índice de falha é de 0,5 gravidez em cada 100 mulheres em um ano. Durante a fase de amamentação, especialmente nos primeiros seis meses, a mulher tem dupla proteção tomando a minipílula, pois a própria atividade de lactação dificulta uma gravidez.
PARA NÃO LACTANTES
O método protege contra a gravidez, mas não é tão eficaz quanto a pílula combinada.
VANTAGENS (LACTANTES E NÃO LACTANTES)
  • Podem ser usados a partir de seis semanas após o parto.
  • Não prejudicam a quantidade e a qualidade do leite materno (já os anticoncepcionais orais combinados, podem reduzir a produção de leite);
  • Menor risco de efeitos colaterais (comparando com os COCS) como acne e aumento de peso;
  • Não apresentam os riscos dos efeitos colaterais dos estrogênios
  • Podem ajudar a prevenir algumas doenças benignas de mama, câncer de endométrio ou de ovário, doença inflamatória pélvica
DESVANTAGENS
PARA LACTANTES
  • Podem prolongar a amenorréia durante a amamentação;
  • Cefaléia ;
  • Sensibilidade mamária.
PARA NÃO LACTANTES
  • Spotting (manchas de sangue );
  • Amenorréia;
  • Fluxo menstrual abundante ou prolongado;
  • Cefaléia;
  • Sensibilidade mamária.
PÍLULA DO DIA SEGUINTE
 
É um método de anticoncepção oral de emergência, isto é, deve ser usado após uma relação sexual desprotegida. Ajuda a prevenir uma gravidez indesejada ou um possível aborto. Interfere no processo de fecundação, impedindo a união do óvulo com o espermatozóide ou retardando a ovulação. É mais eficaz quanto mais precocemente for tomada. O ideal é seu uso logo após o coito, embora seja prescrita para ser usada até 72 horas depois da relação.
ANTICONCEPCIONAIS ORAIS APENAS DE PROGESTOGÊNIO
NOMES COMERCIAIS*
Levonorgestrel 0,75mg
Postinor-2
Norlevo
Pozato
Pilem
MÉTODO DE YUZPE
NOMES COMERCIAIS*
Anticoncepcionais orais combinados contendo 0,25mg de levonorgestrel e 0,05mg de etinilestradiol
Evanor
Neovlar
Anticoncepcionais orais combinados contendo 0,15mg de levonorgestrel e 0,03mg de etinilestradiol
Microvlar
Nordette
* Nota: Os nomes comerciais são apenas exemplos, existem outros produtos com a mesma dose:lista de anticoncepcionais orais disponíveis no Brasil
EFICÁCIA
Previne a gravidez em 75% dos casos. As pílulas feitas só de progestogênio tem maior eficácia, segundo os estudos.
VANTAGENS (LACTANTES E NÃO LACTANTES)
  • Evita um possível aborto.Segundo a Organização Mundial da Saúde, em todo o mundo, ocorrem cerca de 585.000 mortes maternas, muitas secundárias ao aborto.
DESVANTAGENS
  • Irregularidade menstrual;
  • Náuseas;
  • Cefaléia;
  • Dor nos seios;
  • Tontura;
  • Dor abdominal;
  • Diarréia.
ANTICONCEPCIONAIS INJETÁVEIS
INJEÇÕES
São anticoncepcionais hormonais injetáveis. Podem ser mensais ou trimestrais.A injeção mensal contém os dois hormônios, estrógeno e progesterona e a trimestral, apenas progesterona. As injeções hormonais inibem a ovulação e torna o muco cervical espesso dificultando a passagem dos espermatozóides.
ANTICONCEPCIONAIS INJETÁVEIS MENSAIS
HORMÔNIOS
MARCA
50 mg de enantato de noretisterona + 5 mg de valerato de estradiol
Mesigyna
25 mg de acetato de medroxiprogesterona + 5mg de cipionato de estradiol
Cyclofemina
150 mg de acetofenido de dihidroxiprogesterona + 10 mg de enantato de estradiol
Perlutan
Ciclovular
Unociclo
ANTICONCEPCIONAIS INJETÁVEIS TRIMESTRAIS
suspensão aquosa contendo 150 mg de acetato de medroxiprogesterona, em frasco-ampola de 1 ml
Depo-Provera
Tricilon

EFICÁCIA
Usada corretamente, a injeção trimestral proporciona taxas de gravidez baixas entre 0,1% a 0,3% durante o primeiro ano de uso.
VANTAGENS
  • Ameniza as cólicas menstruais
  • Pode ser preventiva da anemia ferropriva
  • Ajudam a prevenir a gravidez ectópica, doença inflamatória pélvica, câncer de endométrio , câncer de ovário, cistos de ovário, doença inflamatória pélvica, doenças mamárias benignas e miomas uterinos
DESVANTAGENS
  • Alterações do ciclo menstrual como spotting (manchas ou sangramento nos intervalos entre as menstruações), ausência de menstruação, sangramento prolongado, e amenorréia;
  • Aumento de peso ;
  • Dores de cabeça;
  • Demora muitos meses para engravidar após a suspensão do uso.
CONTRA-INDICAÇÕES
O método do hormônio injetável não é indicado para mulheres que:
  • Possuem câncer no seio ou ginecológico
  • Têm sangramento vaginal anormal;
  • Têm problemas no coração;
  • Possuem doença no fígado;
  • Não toleram a falta de menstruações;
  • Estejam grávidas ou com suspeita.
ANTICONCEPCIONAIS INJETÁVEIS
IMPLANTES  
Tem a forma de um bastonete e é inserido sob a pele, na parte superior do braço. Contém apenas progestogênio que é liberado em pequenas doses no organismo, continuamente. Inibe a ovulação, aumentando a viscosidade do muco cervical e diminuindo a espessura do endométrio, o que dificulta a implantação do embrião.
CARACTERÍSTICA DO IMPLANTE
CARACTERÍSTICAS
IMPLANON
BASTONETE
BASTONETE ÚNICO
SISTEMA
APLICADOR
COMPRIMENTO
4 CM
DIÂMETRO
2 MM
INVÓLUCRO
ETHYLENEVINYLACETATO
COMPONENTE ATIVO
68MG ETONOGESTREL
INSERÇÃO/REMOÇÃO
RÁPIDA
DURAÇÃO DE USO
3 ANOS
APRESENTAÇÃO ESQUEMÁTICA DO BASTÃO DE IMPLANON
EFICÁCIA
Altamente eficaz. Estudos mostraram taxa de gravidez igual a zero durante os três anos de uso do implante.
VANTAGENS
  • Longa duração ( 3 anos);
  • Anticoncepção eficaz;
  • Proporciona mais liberdade nas relações sexuais;
  • Previne a gravidez ectópica;
  • Método de rápida reversibilidade: estudos mostram que fertilidade retorna em cerca de três semanas após a retirada do bastonete;
  • Pode ser utilizado após até 12 semanas após aborto e 21 a 28 dias depois do parto ou de aborto de segundo trimestre.
DESVANTAGENS
  • Estudos apontam que 6% das mulheres apresentam sangramento freqüente ( mais de 5 vezes em 90 dias);
  • 11,8 % das usuárias tiveram sangramento por mais de 14 dias consecutivos num período de 90 dias;
  • 20,7 % das mulheres tiveram amenorréia;
  • 27,2 % das mulheres tiveram um sangramento irregular de três episódios em um período de 90 dias;
  • Acne;
  • Sensibilidade nas mamas;
  • Cefaléia;
  • Dor abdominal;
  • Diminuição da libido;
  • Tonturas;
  • Náuseas.

DIU HORMONAL  
É um dispositivo intra-uterino que libera hormônio (levonorgestrel) diretamente no útero. Pode também ser utilizado para tratamento de distúrbios menstruais e na terapia de reposição hormonal. Tem formato de "T" com dimensões de 32 mm de comprimento. Sua haste vertical é de 19 mm de comprimento contendo 52 mg de Levonorgestrel. Diminui a produção do muco cervical e aumenta a viscosidade , inibindo a penetração dos espermatozóides.
CARACTERÍSTICA DO DIU HORMONAL
CARACTERÍSTICAS
MIRENA
FABRICANTE
SCHERING
CONTEÚDO HORMONAL
52 mg
LIBERAÇÃO/DIA
20 mcg
VIDA MÉDIA
5 -7 ANOS
REDUÇÃO SANGRAMENTO
90%
MANCHAS
2 -3 MESES
RISCO GRAVIDEZ ECTÓPICA
PEQUENO
APRESENTAÇÃO ESQUEMÁTICA DO ENDOCEPTIVO MIRENA
EFICÁCIA
O índice de falha é de 0,2 em 100 mulheres em 5 anos de uso, semelhante à taxa de esterilização cirúrgica.
VANTAGENS
  • Alta taxa de eficácia na prevenção da gravidez;
  • Anticoncepção prolongada e duradoura;
  • Liberdade nas relações sexuais;
  • Previne gravidez ectópica;
  • As taxas de retorno da fertilidade são altas.
DESVANTAGENS
  • Spotting isto é, manchas de sangue (mais frequentes nos 3 primeiros meses);
  • Amenorréia: com uma porcetagem de 20% em um ano e 50% em 5 anos;
  • Sensibilidade mamária, acne (14%);
  • Dor abdominal;
  • Dor nas costas
  • Dores de cabeça;
  • Depressão;
  • Náuseas;
  • Edema;
  • Pode ocorrer perfuração na parede do útero quando a inserção não foi bem feita;
  • Pode deslocar-se e até sair do útero.

Métodos Comportamentais Quais são Eles ?


TABELINHA
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
[DIAS LIVRES] [DIAS PERIGOSOS]
Consiste no cálculo dos dias férteis (ovulação) nos quais a mulher tem maior probabilidade de engravidar. Para uma maior garantia da eficácia do método, ela deve anotar a duração de seus ciclos menstruais por um período de oito ou 12 meses consecutivos. É necessária esta medida, já que a mulher passa por ciclos longos e curtos, que em geral variam de 26 a 31 dias. Para calcular os dias férteis:
  • A) Conte o primeiro dia da menstruação (1º dia do ciclo) até o dia que antecede a próxima menstruação (último dia ciclo). Isto é chamado "Ciclo menstrual"
  • B) Durante 8 ou 12 meses, anote seus ciclos menstruais
  • C) Anote seu maior seu menor ciclo.
  • D) Faça estas duas contas:
    • Subtraia 18 do ciclo mais curto: obtém-se o início do período fértil
    • Subtraia 11 do ciclo mais longo:obtém-se o fim do período fértil

    Por exemplo:
  • Ciclo mais curto: 26 -18 = 8
  • Ciclo mais longo: 31- 11 = 20
Utilizando-se desse exemplo, o período fértil da mulher é o do 8º ao 20º dias de cada ciclo. Dessa forma, se a mulher não quiser engravidar, não deve ter relações neste período.
EFICÁCIA
as falhas no método variam entre 14 a 47%.
VANTAGENS
  • Pode ser usado para prevenir ou planejar uma gravidez;
  • A mulher passa a conhece melhor seu corpo;
  • Não necessita de prescrição médica;
  • Não tem efeitos colaterais;
  • Exige a participação do parceiro;
  • Não há custo;
  • É imediatamente reversível.
DESVANTAGENS
  • Exige muita disciplina;
  • A mulher tem que ficar longos períodos sem ter relações sexuais;
  • O risco de gravidez é maior que o de outros métodos;
[ATENÇÃO] NÃO DEVEM USAR A TABELINHA COMO MÉTODO ANTICONCEPCIONAL MULHERES QUE:
  • Têm ciclos irregulares;
  • Estiverem amamentando;
  • Apresentarem um diferença de 10 dias ou mais entre seu ciclo mais curto e o mais longo;
  • Precisam de alta eficácia anticoncepcional por motivos de saúde;

MÉTODO DO MUCO
Consiste em determinar o período fértil observando o aparecimento do muco cervical, uma secreção semelhante à clara de ovo, produzida no colo do útero. No ciclo típico, depois de 5 dias de menstruação, há três ou quatro "dias secos", ou seja, sem secreções. Após essa fase surge um muco esbranquiçado, turvo e pegajoso que vai ficando cada dia mais elástico e lubrificante (ao se esticar entre os dedos parece um fio). O último dia da mucosidade com essas características é chamado ápice do muco - isto significa que a ovulação ocorreu dois dias antes, ou vai acontecer dentro de mais ou menos 48 horas. Quatro dias após o dia do ápice inicia-se o período infértil, que dura até a próxima menstruação.
EFICÁCIA
A eficácia do método oscila entre 80 e 93%. Quando utilizado corretamente, a eficácia do método é de 92 a 93%. Entretanto, se não seguido "a risca", a chance de uma gravidez fica entre 80 e 86%.
VANTAGENS
  • Pode ser usado para prevenir ou planejar uma gravidez;
  • A mulher passa a conhece melhor seu corpo;
  • Não necessita de prescrição médica;
  • Não tem efeitos colaterais;
  • Não há custo.
DESVANTAGENS
  • Exige de muita disciplina;
  • A mulher tem que ficar longos períodos sem ter relações sexuais com penetração;
  • O risco de gravidez é maior que o de outros métodos;
  • Não evita doenças sexualmente transmissíveis.
  • São imediatamente reversíveis.

Métodos não Hormonais Quais São?


ANTICONCEPCIONAIS DE BARREIRA

CAMISINHA MASCULINA E FEMININA
MASCULINO
Popularmente conhecido como camisinha, é usado por cerca de 45 milhões de casais em todo o mundo. É colocado no pênis ereto, antes da penetração, devendo ser usado somente uma única vez. Está disponível em uma grande variedade de tamanhos, formas, cores e texturas. Existem no mercado brasileiro numerosas marcas do produto. Os preservativos mais comuns são feitos de látex ou de plástico:
CONDOM DE LÁTEX
É uma capa ou luva feita de uma lâmina fina de borracha de látex, para cobrir e se ajustar ao pênis. Alguns possuem lubrificantes a base de água ou silicone. Também podem conter espermicidas.
CONDOM DE PLÁSTICO
Mais fino, maior e mais resistente que o preservativo de látex. Durante a relação sexual, permite maior sensibilidade. Pode ser usado com lubrificantes à base de óleo. O grau de proteção contra DST é semelhante ao condom de látex.
EFICÁCIA
  • Se corretamente utilizado, o método pode alcançar entre 88 e 97 % de eficácia;
  • Para que o preservativo não se rompa ou desloque, deve-se evitar abrir sua embalagem com objetos pontiagudos, desenrolar a camisinha antes do uso, manter relações sexuais prolongadas ou intensas e o armazenamento inadequado (por exemplo, deixá-lo sob altas temperaturas)
  • Pode-se utilizar espermicidas junto com o preservativo para buscar uma maior segurança na prevenção da gravidez.
  • Não é recomendada a utilização de lubrificantes tipo vaselina, óleo mineral ou outros derivados de petróleo, pois danificam o preservativo à base de látex. Caso seja necessária a lubrificação adicional, recomenda-se o uso de lubrificantes de base aquosa.
VANTAGENS
  • Evita a gravidez e reduz o risco da AIDS e de outras doenças sexualmente transmissíveis;
  • Não apresenta efeitos colaterais hormonais;
  • Oferece anticoncepção ocasional sem a necessidade de manutenção diária;
  • Não precisa de prescrição médica;
  • Ajudam o homem a prolongar o período que antecede o orgasmo, prevenindo a ejaculação precoce.
DESVANTAGENS
  • Podem ocorrer irritação e reações alérgicas;
  • Alguns casais afirmam que diminue a sensação de prazer durante a relação sexual.
FEMININO
É uma bolsa de plástico leve, latga, adaptável à vagina. Protege o colo do útero, a vagina e a genitália externa. O preservativo feminino é pré-lubrificado com silicone, porém outros lubrificantes (à base de água ou óleo) podem ser usados, para melhorar o desconforto e o ruído. Tem um anel leve e flexível em cada extremidade. Pouco antes da relação sexual, a mulher coloca a extremidade fechada no interior de sua vagina. O anel aberto permanece do lado de fora da vagina após a inserção, protegendo os lábios e a base do pênis durante o ato sexual. O produto é pré-lubrificado e pode ser usado apenas uma vez. Assim como o condom masculino, ele forma uma barreira física entre o pênis e a vagina, impedindo a passagem de esperma através do trato genital feminino.
EFICÁCIA
Semelhante ao condom masculino, segundo pesquisas, a camisinha feminina evita a gravidez entre 79 e 95% dos casos, se usada corretamente.
VANTAGENS

  • Previne a gravidez e as DST/Aids;
  • É controlado pela mulher;
  • Não precisa ser retirado imediatamente após a ejaculação;
  • Menor perda de sensibilidade em relação à camisinha masculina;
  • Pode ser usado com lubrificantes à base de óleo;
  • Algumas mulheres afirmam que o anel externo estimula o clitóris facilitando a obtenção do prazer;
  • Não apresenta efeitos colaterais hormonais;
  • Oferece anticoncepção ocasional sem a necessidade de manutenção diária.
DESVANTAGENS
  • Custo mais alto do que o preservativo masculino;
  • Pode provocar desconforto ou dor causado pelos anéis interno e externo;
  • Algumas mulheres relatam estranhamento devido ao seu aspecto;
  • Inapropriado para algumas posições sexuais;
  • A inserção correta pode ser difícil: usuárias inexperientes devem ser orientadas para praticar a inserção antes de usá-lo
  • Alguns casais incomodam-se com o ruído provocado pela camisinha durante o intercurso sexual.

DIAFRAGMA
É um pequeno anel de metal recoberto por uma película de borracha ou silicone. Tem um formato côncavo semelhante a uma pequena tampa que cobre o colo uterino, impedindo a entrada do esperma no útero. É inserido no interior da vagina antes da relação sexual devendo ser utilizado com geléia ou creme espermicida para maior segurança. Deve ser retirado 12 horas após a relação sexual. A mulher deve consultar um médico para saber o tamanho adequado a sua vagina, já que existem muitos modelos no mercado, tanto nacionais como importados.
EFICÁCIA
Se usado corretamente, este método tem uma eficácia de 82 a 98% na prevenção da gravidez.
VANTAGENS
  •  Método controlado pela mulher;
  • Pode oferecer alguma proteção contra as DST /HIV, mas ainda não foi comprovada;
  • Previne a gravidez se utilizado corretamente em todas as relações sexuais;
  • Não tem efeitos hormonais;
  • Pode ser inserido até seis horas antes da relação sexual , evitando a interrupção do coito;
  • Oferece anticoncepção ocasional sem a necessidade de manutenção diária;
  • Se bem conservado, isto é higienizado corretamente com água e sabão neutro depois de sua utilização pode durar até 5 anos.
DESVANTAGENS
  • Pode provocar cólica, dores pélvicas e retenção urinária;
  • Algumas mulheres podem desenvolver alergia ao látex;
  • Aumenta o risco de infecção urinária;
  • Se deixado por muito tempo no local pode ocorrer corrimento vaginal intenso com odor desagradável;
  • Os espermicidas utilizados podem causar reação alérgica na mulher ou no parceiro;
  • Pode ser difícil removê-lo


ESPERMICIDA
Os Espermicidas são encontrados no mercado em forma de creme, geléia, espuma, supositório, comprimido ou filme. Em geral são feitos a base de nonoxinol-9, sendo o mais amplamente utilizado em todo o mundo. Seu mecanismo de ação é matar o espermatozóide antes de chegar ao útero. Aconselha-se que o espermicida seja introduzido na vagina pelo menos 10 minutos antes da ejaculação. Nunca mais do que 1 hora.
EFICÁCIA
Quando usado corretamente previne a gravidez de 79% e 97%.
VANTAGENS

  • Método controlado pela mulher;
  • Sem efeitos hormonais;
  • Pode ser interrompido a qualquer momento;
  • Fácil utilização;
  • Pode ser inserido de 10 minutos à 1 hora antes da relação sexual;
  • Pode aumentar a lubrificação vaginal.
  • Alguns estudos apontam para
DESVANTAGENS
  • Se utilizado várias vezes ao dia pode ocasionar úlceras e erosões genitais;
  • Irritação alérgica;
  • Infecções do trato urinário;
  • Pode aumentar o risco de Candidíase genital e vaginose bacteriana;
  • Teoricamente, o uso do espermicida várias vezes ao dia pode causar irritação, aumentando o risco de HIV/AIDS


DIU [COBRE]
O Dispositivo intra-uterino (DIU) é um aparelho feito de plástico flexível em forma de T com revestimento ou fios de cobre. É inserido pelo médico dentro do útero da mulher através da vagina. Deve ser colocado durante a menstruação. O dispositivo impede a gravidez porque afeta os espermatozóides, matando-os ou diminuindo sua movimentação. Também altera o muco cervical, a cavidade uterina e a movimentação das trompas. A mulher não pode esquecer que para colocar e retirar o DIU é preciso de intervenção médica.O Diu é tão eficiente quanto a pílula. Os mais modernos duram de 5 a 10 anos no organismo da mulher.
TIPOS E MODELOS DE DIUs NO BRASIL
DIU COM COBRE
CARACTERÍSTICAS
TCu 200
Revestido com 200 mm2 de fios de cobre na haste vertical; os fios são brancos
MLCu 375 Standard
MLCu 375 Slim
Revestidos com 375 mm2 de cobre na haste vertical; os fios são pretos
TCu 380 A
Revestido com 314mm2 de cobre na haste vertical e dois anéis de 33mm2 de cobre em cada haste horizontal; os fios são brancos
EFICÁCIA
98% A 99%
VANTAGENS

  • Não exige disciplina da mulher;
  • Tem uma durabilidade de pelo menos quatro anos;
  • É um método reversível (a mulher pode ficar grávida quando retirar o aparelho);
  • Não interfere nas relações sexuais;
  • Pode ser usado durante a amamentação;
  • É uma boa escolha para mulheres que não querem optar por um contraceptivo definitivo;
  • Para mulheres que já tem filhos e que desejam espaçar a próxima gravidez por mais de dois anos;
  • Pode previnir a gravidez ectópica;
  • Não interage com outras medicações;
  • Pode ser utilizado até a Menopausa.
DESVANTAGENS
  • Pode aumentar a quantidade e a duração do sangramento menstrual;
  • Pode causar anemia, cólicas, inflamações ginecológicas e corrimentos;
  • Pode ocorrer a perfuração da parede do útero ( muito raro);
  • Podem sair ou se deslocar do útero, sem que a mulher se dê conta;
  • Mulheres que usam DIU e tiveram alguma DST, correm um rico maior ter uma Doença inflamatória Pélvica (DIP) que pode levar a uma infertilidade.
[ATENÇÃO] O DIU NÃO DEVE SER USADO POR MULHERES QUE:
  • Estiverem grávidas ou suspeitar de gravidez ;
  • Têm anormalidades no útero;
  • Estiverem sob o risco de contrair uma doença sexualmente transmissível;
  • Apresentem ou já tenham tido infecção nas trompas;
  • Já tiveram uma gravidez nas trompas;
  • Têm menstruações muito abundantes;
  • Têm anemia;
  • Têm câncer ginecológico;
  • Apresentarem sangramento vaginal de origem desconhecida;
  • Nunca tiveram filhos;
  • São alérgicas ao cobre.